publicidade

Resenha

F***king

servido por: Vitor Leobons

The End of the F***king World é a primeira série que consegui maratonar em 2018!

E, consequentemente, tornou-se também uma grata surpresa!

Sabe aquela conversa sobre a juventude parecer estranha e esquisita? Os dramas na adolescência têm muito mais peso? De que adolescente é um ser deslocado?

A história de amor entre Alyssa e James, dois adolescentes estranhos, que não se enquadram, é uma representação narrativa dessas “verdades” sobre esse período chamado adolescência.

Eles têm – em comum – o fato de que ambos odiavam as respectivas vidas até então… e todos ao redor. Juntos, entram em uma road trip para fugir daquele mundo que não é deles.

Como todo bom road movie, essa série acaba sendo uma metáfora sobre a vida. E tal qual, TEOTFW não é bonita, fácil! Uma fábula esquisita sobre amadurecimento. Sair da casa dos pais, apaixonar-se, lidar com decepções provocadas pelas pessoas as quais você ama, encarar a consequência de alguns atos e outras “responsabilidades” duma fase adulta.

É interessante notar como os personagens são disfuncionais! Mesmo sob uma máscara de normalidade, todos têm esqueletos no armário. Enquanto os adolescentes ficam revoltados com essa condição, tentando encontrar espaço ou soluções perante tais questões, existem adultos que olham para o lado, abrem um sorriso e continuam seguindo em frente… como se nada estivesse acontecendo! Acho interessante pensar sobre isso e buscar significados para determinada escolha.

São oito episódios curtinhos, de aproximadamente 30 minutos, que passam e você nem se dá conta! Mérito de uma ótima direção e um belo roteiro. O jovem casal protagonista, Jessica Barden e Alex Lawther, conduz a história com talento. E você acaba conquistado pela dupla: o que começa como julgamento, reprovação… transforma-se em preocupação, empatia.

Sem precisar de um diálogo para passar cada sensação ou explicar tudo que acontece, a série também lhe conquista com silêncios e os “sentimentos não falados”…

Enfim…

Caso você tenha estômago para o – bizarro – humor britânico, está aí um ótimo programa!

P.S.: e essa série termina sem todas as respostas ou a certeza – diria até necessidade – de uma próxima temporada. Adoraria saber o que acontecerá no dia seguinte daqueles dois. Mas talvez seja melhor deixar na imaginação…